Voltar

Origem do nome

Diz a história, que o nome pode estar atribuído a um português, com o nome de Bragança, que era dono de um rancho para tropeiros, com pastos de aluguel, no bairro do Canivete, em fins do século XXVIII. Mas nenhum documento revela ter existido esse tal português. Oficialmente, data de 28 de novembro de 1797 o edital da criação da “Villa Nova Esperança”.

O nome escolhido foi provavelmente em homenagem à Casa de Bragança, dinarquia reinante em Portugal desde 1640. A denominação NOVA Bragança, evocava a velha Bragança situada em Portugal, próxima do pequeno rio Fervença, a 12 kilometros da fronteira espanhola.

A fundação

Antônio Pires Pimentel e sua esposa Ignácia da Silva Pimentel, moradores no então Distrito de Atibaia, em cumprimento de uma promessa, constróem uma capela em louvor a Nossa Senhora da Conceição, numa colina, à margem direita do Ribeirão Canivete (hoje, Lavapés, pequeno afluente do Rio Jaguary). Segundo se tem conhecimento, Antônio Pires Pimentel, estava doente e desenganado pêlos médicos.

Então, sua esposa fez uma promessa a Nossa Senhora da Conceição pela recuperação do marido, alcançando a graça.Em agradecimento, o casal construiu a capela no alto da colina para venerar a santa. E aquele local, a partir de então, começou a servir de passagem e descanso para tropeiros. E começaram a surgir, ao redor da capela, ranchos e barracas. Assim teve inicio o pequeno povoado que recebeu o nome de Conceição do Jaguary e que tem como data de fundação o dia 15 de dezembro de 1763.

Brasão

Instituído a 25 de agosto de 1956, Brasão de Armas de Bragança Paulista, de formato Português, redondo, cortado e tripartido, encimado pela coroa mural privativa da municipalidade, também chamada Torre Municipalista. Tem os seguintes significados:O Brasão da Armas da família Pires Pimentel, verde, com cinco vieiras de prata, em santor; bordadura de prata, carregada com oito cruzes póteas de vermelho. Homenagem aos fundadores da cidade Antônio Pires Pimentel e sua esposa Ignácia da Silva Pires Pimentel.

No primeiro canto, à esquerda, o Brazão de Armas da Família Pires Pimentel, verde, com cinco vieiras de prata, em santor; bordadura de prata, carregada com oito cruzes póteas de vermelho. Homenagem aos Fundadores da cidade Antônio Pires Pimentel e sua Esposa Ignácia da Silva Pires Pimentel.

No segundo canto, à direita, o Brazão de Armas da Casa Real de Bragança (Portugal), cor de prata com aspas de Vermelho, carregado com cinco escudetes de Portugal Antigo.Homenagem a D. João VI, da Casa Real de Portugal, família de Bragança, em cuja honra nossa cidade tomou o nome que hoje ostenta.

No terceiro, em baixo, de ouro, uma flor-de-lis homenagem à Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade (origem do nome Conceição do Jaguary), denotando a vocação cristã do município. Aguado de prata, lembrando que Bragança nasceu à margem do Rio Jaguary. Dois ramos de café frutados ao natural que a produção principal do município é a lavoura calcada na cultura do café.

Listel de prata, com as letras: Ad Altiora, como lema. Define a índole própria do povo bragantino, com vocação para as coisas mais altas, o que caracteriza seu esforço para a conquista do futuro, no aprimoramento de sua fé e do seu amor ao trabalho.

Logotipo | A flor-de-lis

O logotipo do site foi inspirado na flor-de-lis do brasão oficial da cidade de Bragança Paulista em homenagem à Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade (origem do nome Conceição do Jaguary), denotando a vocação cristã do município. A flor-de-lis é símbolo de poder, soberania, honra e lealdade, assim como de pureza de corpo e alma.

Emancipação

Em 13 de fevereiro de 1765, o povoado é reconhecido e recebe o nome de Distrito de Paz e Freguesia da Conceição do Jaguary. Quatro dias depois, Conceição do Jaguary recebe seu primeiro Vigário desliga-se de Atibaia e recebe o nome de Vila Nova Bragança, nome esse ligado à tradição portuguesa, cuja dinastia durante séculos governou Portugal e o Brasil. Em 20 de abril de 1856, passa a denominar-se Bragança. Três anos depois, são anexados a ela mais quatro municípios:

Pedra Bela, Pinhalzinho, Vargem e Tuiuti.

Em 30 de novembro de 1944, para diferenciar-se da cidade do Pará que tinha o mesmo nome, passou a chamar-se Bragança Paulista. E em virtude de seu excelente clima, , foi elevada à categoria de Estância Climática. Em 24 de fevereiro de 1964, perde parte de seu território, com o desmembramento dos distritos de Vargem, Pinhalzinho e Pedra Bela. Em 17 de abril de 1970, Vargem é reintegrado ao território bragantino. E em 30 de dezembro de 1991, novamente Vargem e também Tuiuti separam-se de Bragança.

Sede da região

Em 29 de novembro de 1984, foi reconhecida como Sede da Região do Governo do Estado de São Paulo. Dezesseis cidades formam a região bragantina: Águas de Lindóia, Amparo, Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Bragança Paulista, Joanópolis, Lindóia, Monte Alegre do Sul, Nazaré Paulista, Pedra Bela, Pinhalzinho, Piracaia, Serra Negra, Socorro, Vargem e Tuiuti.