Voltar

09/10/2018 23:41

Homem agride e estupra mulher porque achou que ela cumprimentou outro

Pelo menos dois casos de violência doméstica foram registrados na segunda-feira, 8, em Bragança Paulista. Um deles no bairro Henedina Cortez e outro no Jardim Águas Claras, ambos na Zona Norte da cidade. Em um deles, mulher chegou a ser mantida em cárcere privado e estuprada, depois que seu companheiro achou que ela tivesse cumprimentado um outro homem.

Conforme o apurado, guardas civis municipais foram acionados para comparecer na Avenida Oito de Maio, no bairro Henedina Cortez, onde uma mulher estaria sendo agredida pelo companheiro e mantida em cárcere privado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando os guardas bateram na porta do apartamento, não foram atendidos.  Eles então solicitaram a presença da irmã da vítima e só assim entraram no local.

Foi então que encontraram a mulher, com ferimentos e inchaço nos olhos.

Ela estava muito nervosa e chorando e  relatou aos guardas que há tempos vinha sofrendo ameaças de morte e agressões por parte do amásio e que, naquela amanhã, ao abrir uma janela e cumprimentar uma vizinha, foi agredida por ele.

Ela disse que o companheiro, bateu nela porque achou que tivesse cumprimentado um homem. Além da agressão, ela relatou que ele a estuprou e a manteve  trancada dentro do apartamento.

Ainda segundo a vítima, no domingo, 7, o amásio já havia quebrado o seu celular para impedir que ela pedisse ajuda, bem como já tinha a agredido na frente dos filhos, todos menores de idade.

Os guardas encontraram na casa uma porção de maconha e o agressor, de 34 anos, assumiu a propriedade da droga, dizendo que era para seu consumo próprio.

Ele reagiu à ação dos guardas, se debatendo e xingando-os, tentando impedir sua condução à delegacia.

Os dois foram levados à Santa Casa, ela para ser medicada em razão dos ferimentos sofridos e ele para ser submetido a exame de corpo de delito, sendo que naquele hospital, o homem ficou tumultuando o ambiente, xingando os guardas de vários impropérios e ameaçando-os de morte, dizendo que sua prisão não era perpétua e que iria colocá-los no caixão.

Ainda no Plantão Central da Polícia Civil, ele continuou alterado, gritando e ameaçando os policiais, tentando impedir sua condução à cela e tumultuando os trabalhos.

Ele foi autuado em flagrante por estupro, lesão corporal dolosa, ameaça e cárcere privado – violência doméstica, porte de drogas, resistência e desacato e apresentado em audiência de custódia, tendo a delegada de plantão representado pela decretação de sua prisão preventiva, o que caberá à Justiça decretar ou não.

Verificou-se ainda a existência de outros registros contra ele, também por violência doméstica.

O outro caso de violência doméstica aconteceu na noite de segunda-feira, 8, no Jardim Águas Claras.

Policiais militares foram acionados porque uma mulher estava sendo ameaçada de morte pelo seu companheiro com uma faca.

Ao se aproximarem da residência, a vítima correu em direção aos policiais, seguida pelo amásio, que a perseguia. O homem, de 28 anos, foi detido imediatamente.

Uma testemunha, disse que viu as ameaças e entregou à polícia uma tesoura, que ele usou para intimidá-la.

A vítima relatou aos policiais que naquela tarde compareceu à Delegacia de Defesa da Mulher e registrou ocorrência contra ele e ao chegar a sua residência, mostrou o boletim de ocorrência, mandando que ele saísse da casa.

Foi então que ele pegou a tesoura e passou a ameaçá-la.

O homem já era procurado da Justiça, em razão de mandado de prisão preventiva por ameaça e lesão corporal, desde janeiro. Ele foi então conduzido ao Plantão Central da Polícia,  autuado em flagrante por ameaça – violência doméstica – e apresentado em audiência de custódia.

Fonte: Bragança em Pauta


← Voltar