Voltar

03/05/2018 09:00

Prefeito ignora negociação e oferece 3% de aumento



PREFEITO IGNORA NEGOCIAÇÃO E OFERECE 3% DE AUMENTO AOS SERVIDORES MUNICIPAIS
 
O prefeito Jesus Chedid ignorou o pedido de 15% de aumento dos servidores municipais apresentando pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Bragança Paulista (SISMBUB) e enviou para Câmara Municipal na tarde desta terça-feira, 2, projeto de lei complementar concedendo 3% de reajuste.

O SISMUB  já havia realizado duas assembleias para tratar sobre o aumento no mês de abril e pedia 15% de reajuste, vale alimentação de  R$ 528,50, entre outros benefícios, mas a negociação simplesmente foi ignorada pela administração.

Os vereadores receberam o projeto na tarde desta quarta-feira, 2 e  aceitaram votar o reajuste em regime de urgência. Com isto, o projeto já deve ser apreciado na próxima semana.

O presidente do SISMUB, Carlos Alberto Martins de Oliveira, disse à reportagem do jornal on line Bragança Em Pauta, que a entidade repudia veemente essa conduta ditadora, que não negocia e restringe direitos. “Quando eram outros governos, tinham resposta para tudo nos altos da 102,1. Agora passam por cima dos direitos dos servidores como um rolo compressor.”, disse o presidente

A justificativa da administração é que está “buscando a recuperação financeira do município e trabalhando para cumprir seus compromissos de forma a gerar bem-estar e melhores condições para a população”

Segundo nota da Divisão de Imprensa, “a Prefeitura está conseguindo equilibrar as finanças e efetivar os pagamentos em dia, ressaltando o respeito e o compromisso com o funcionalismo.”

Caso o projeto seja aprovado o reajuste de 3% será válido a partir do dia 1º de maio. A Prefeitura ressalta que 2,33% e referente a inflação e 0,67% de aumento real.

Além disto, o vale alimentação subirá para R$ 500,00. Este aumento equivale à 19,618%.

O projeto, que ainda deverá ser apreciado pelos vereadores, contempla 3 faltadas abonadas para o ano de 2019, desde que o servidor, não tenha faltas injustificadas.

Para a negociação de 2017/2018, a administração havia cortado as faltas abonadas. Na administração de Fernão Dias, os servidores tinham direito a 6 abonadas que podiam ser acumuladas e mais duas faltas de acompanhantes para filhos menores de idade e pais idosos.

Na visão do presidente do sindicato, a Prefeitura além de não negociar tirou direitos conquistados pelos servidores.

O reajuste é menor do que no ano passado quando Chedid concedeu 4,5% de acréscimo e apenas R$ 18,00 de aumento no vale alimentação, que na época foi para R$ 418,00.

O maior reajuste concedido aos servidores municipais nas duas últimas décadas foi de 20%, quando Chedid,  mesmo cassado em 2005, concedeu aumento aos servidores de 20%, que era um promessa de campanha de João Afonso Sólis (Jango), que assumiu a Prefeitura, logo em seguida.

 (Bragança em Pauta)

 

 


← Voltar